Para Ler, Ver e Ouvir.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Meus Discos #20 – CD “Much Afraid” Jars of Clay

Jars of Clay é uma das minhas bandas favoritas. Ouço esses caras desde criança e fico feliz de poder ouvir atualmente suas músicas. Como se sabe, sempre nessa transição de fases da vida, muita coisa que gostávamos antes acaba ficando pra trás. Não é o caso aqui, as músicas do Jars of Clay continuam firmes e fortes presentes nos meus dias.

O lançamento auto-intitulado de Jars of Clay é um clássico do gênero rock cristão. Repleto de harmonias ricas, violão exuberante e loops eletrônicos, o Jars fez algo que nenhuma outra banda de rock cristã conseguiu nos últimos anos; tornar esse gênero mainstream. A canção "Flood", encontrou um público popular e os manteve no topo... e, embora a maioria dos fãs obstinados do Jars tenha gostado da música, ela lançou sozinha o que hoje é uma carreira de vinte anos na música para esses meninos do Greenville College (e ajudou a impulsionar vários outros artistas para o centro das atenções).

CD “Much Afraid” Jars of Clay

No segundo álbum, chamado Much Afraid, o vocalista Dan Haseltine decidiu criar um álbum que perdurasse. Ele queria que o álbum tivesse uma sensação clássica, que resistisse ao teste do tempo e evitasse o som "datado" de muitos álbuns dos anos 90. Parece irônico, olhando para trás, que Jars retornou à demo original para refazer duas músicas para este álbum, "Fade to Grey" e "Frail". Então, como foi?

Jars of Clay, sem saber (ou bastante!) Definiu o plano para o seu som em constante mudança com o álbum Much Afraid. Desde a faixa de abertura “Overjoyed”, que explode com o primeiro uso de guitarra elétrica, até os sons melancólicos e orquestrados do set-list e favorito dos fãs, “Frail”, Jars não apenas conseguiu um segundo álbum fantástico… mas um álbum que se sustenta sozinho. Much Afraid não se limita ao tema cristão e vê a banda se movendo em direção à mensagem mais secular que eles abraçariam durante grande parte de sua carreira.

O álbum mergulha e se curva pelo sombrio (a canção mencionada "Frail"), pelo atmosférico ("Weighed Down") e pelos elogios contemplativos de ("Much Afraid"). Jars of Clay conseguiram transmitir o sofrimento emocional da humanidade e, ao mesmo tempo, permitir uma luz no fim do túnel o tempo todo raramente mencionando Jesus. (as exceções são a faixa-título e "Hymn").

Aqui temos ótimas canções, entre as minhas favoritas estão ("Five Candles") que revela a necessidade de os pais se envolverem ativamente com seus filhos, a futilidade de lágrimas vazias em ("Crazy Times") e o efeito da falta de comunicação em emoções frágeis ("Tea and Sympathy"). Em "Hymn", o cantor adora Jesus com uma doce poesia. Também fortemente espiritual, a música-título aponta para Cristo como um refúgio. Glórias "Overjoyed" em um relacionamento libertador. As linhas positivas habitam várias músicas tematicamente obscuras. O álbum apresenta um pouco da influência do Toad the Wet Sprocket, assim como o primeiro álbum, pelo menos na minha opinião. Afinal, eu amo as duas bandas.

Embora o sombrio e sombrio “Frail” seja visto como o maior sucesso, seria difícil ignorar o ótimo acústico, “Truce”. Trazendo de volta loops de bateria e trabalho com teclado melódico, a música vai prolongando-se lentamente ao longo das 3:11. Em vez disso, ele se abre com um tom de batida para um acústico dedilhado rápido que permite alguns dos trabalhos mais interessantes sobre guitarra elétrica do álbum que se aproxima do fim. A música é uma ótima conexão com o passado e o presente do Jars of Clay neste momento com o humor sombrio, o acústico e o elétrico.

Lançado em 1997, com este álbum, a banda ganhou o seu primeiro Grammy Award, na categoria de Best Pop/Contemporary Gospel Album. O disco atingiu o nº 8 da Billboard 200 e o nº 2 do Top Contemporary Christian. Tendo sido lançado também uma versão japonesa do disco.

Embora o Much Afraid tenha conseguido número de vendas modestos, foi através de experimentação e criatividade, que o álbum conseguiu não apenas encontrar um público na época, mas também resistiu muito bem, capturando um pouco da sensação "atemporal" de Dan. As músicas são bem escritas, cativantes e fáceis de ouvir. E claro, é um dos meus favoritos da banda!

Ouça no Spotify!

SHARE:

Nenhum comentário

Postar um comentário

Blog Layout Designed by pipdig